Ministério do Turismo

Termos iniciados com a letra M

x

Enviar para um amigo

Dados do remetente:
Dados do destinatário:

campos marcados com * são de preenchimento obrigatório

  • MAGNITUDE (DE UM IMPACTO) Termo usado por LEOPOLD para expressar a extensão física ou escala de um impacto.
  • MAIN COURANTE É o livro utilizado em alguns hotéis de pequeno e médio porte, onde se registram as despesas efetuadas pelos hóspedes, incluindo as tarifas de hospedagem e alimentação, utilizando processo manual.
  • MANGUEZAL É um terreno baixo na costa que se forma junto á foz dos rios recebendo, ao mesmo tempo, a influência das marés e das águas fluviais que desembocam no mar. Constitui um ambiente alagado e salobro devido á mistura da água salgada do mar com a água doce dos rios, com grande acumulação de detritos orgânicos.
  • MAPA BASE Mapa que mostra certa informação fundamental sobre a qual podem ser compilados dados adicionais específicos.
  • MARKETING É o conjunto de atividades que visam ao incremento dos fatores geradores de satisfação junto ao mercado
  • MARKETING 1. É "(...) a execução de atividades e negócios que encaminham o fluxo de mercadorias e serviços, partindo do produto até os consumidores finais"(AMERICAN MARKETING ASSOCIATION apud SIMÕES, 1984). 2. "A função gerencial que organiza e direciona todas as atividades mercadológicas envolvidas, para avaliar e converter a capacidade de compra dos consumidores, numa demanda efetiva para um produto ou serviço específico, para levá--los ao consumidor final ou usuário, visando, com isto, a um lucro adequado ou a outros objetivos propostos pela empresa" (BRITISH INSTITUTE OF MARKETING).
  • MARKETING TURÍSTICO É "(...) a adaptação sistemática e coordenada da política das empresas de turismo, tanto privadas como do Estado; no plano local, regional, nacional e internacional, visando à plena satisfação das necessidades de determinados grupos de consumidores, obtendo com isso, um lucro apropriado" (KRIPPENDORF, 1980).
  • MARKETING TURÍSTICO É o conjunto de técnicas estatísticas, econômicas, sociológicas e psicológicas, utilizadas para estudar e conquistar o mercado, mediante lançamento planejado de produtos, consistindo numa estratégia dos produtos para adequar seus recursos às novas oportunidades que o mercado oferece (EMBRATUR, 1992)..
  • MARÉ E o fluxo e refluxo periódico das água do mar sob influência da atração gravitacional da lua e do sol, pela qual duas vezes ao dia, alternadamente, as águas do mar sobem (preamar) e descem (baixa-mar).
  • MATA Grande área de terreno ocupada mais ou menos densamente por árvores da mesma espécie ou de poucas espécies (origem etimológica do termo: maitan = um ou poucos).
  • MATRIZES CRUZADAS São tabelas de dupla entrada onde se expressa, por meio de determinados sinais, uma relação existente entre os fatores que encabeçam linhas e colunas das mesmas.
  • MATRIZES DE CONECTIVIDADE São aquelas que expressam a presença ou ausência (sim, não: 1/0) de uma determinada relação entre os fatores que aparecem nas filas e colunas.
  • MAÎTRE D HÔTEL É o chefe da sala. Funcionário de restaurante, cuja função consiste em dirigir e orientar o serviço de sala/restaurante, bem como assistir a clientela e orientar seus pedidos.
  • MEIO AMBIENTE É a interação de elementos naturais, artificiais, socioeconômicos e culturais, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. O meio ambiente é composto do meio físico, meio bilógico e meio socioeconômico.
  • MEIO AMBIENTE Segundo VALENTI (1984), o termo "meio ambiente" provém da tradução do francês milieu ambiance utilizado inicialmente por naturalistas e geógrafos, onde milieu designa o lugar onde está ou onde se movimenta um ser vivo qualquer, e ambiance refere-se ao que rodeia este ser. Assim, por definição e por etimologia, ambas as palavras se complementam, sendo que "meio" (lat. medium) alude efetivamente ao lugar e ao contexto imediato onde se encontra ou se movimenta um ser vivo, e "ambiente" (lat. ambira) completa a idéia no sentido de designar algo periférico ao sujeito considerado e que o envolve. Portanto, o meio ambiente é uma realidade envolvente, um entorno. Segundo o autor, todos os termos utilizados em distintos idiomas (Francês, Inglês, Alemão) reforçam esta mesma idéia. No entanto, como ressalta VALENTI (1984), a expressão meio ambiente foi utilizada até o início do século XX com a única conotação de meio natural. Ainda hoje, e com certa freqüência, se utiliza a expressão com esse sentido restrito embora se saiba que os demais ambientes além do meio natural devem ser incorporados pelo conceito. Não parece, portanto, incorreta a utilização conjunta dos termos meio e ambiente através da expressão meio ambiente, ainda que isoladamente assumam significado semelhantes, o que os torna igualmente utilizáveis de forma isolada (meio ou ambiente) sem perda relevante de significado. O importante é especificar, quando for o caso, a que meio ou ambiente se está referindo, seja, o meio natural (biótico e abiótico), o meio cultural, o meio urbano, o meio atmosférico, o meio aquático, o meio subterrâneo, ou qualquer outra escala e dimensão possíveis. 2. Expressão usada para designar a interação entre o conjunto das condições naturais, os organismos vivos e os seres humanos com suas múltiplas e mútuas influências.
  • MEIO DE HOSPEDAGEM É um estabelecimento administrado comercialmente por empresa hoteleira, destinado a prestar serviços de alojamento a hóspedes temporários, em unidades habitacionais especificamente construídas com essa finalidade.
  • MIDSCALE (MÉDIOS) Ex. Holiday Inn, Best Western, Ramada, Quality Inn
  • MIMETISMO Capacidade de certas espécies de assumirem a cor, textura e configuração do meio em que vivem ou de outras espécies, como forma de defesa contra predadores.
  • MISE-EN-PLACE É a colocação em ordem, arrumação (mesa, room service, sala de restaurante).
  • MITO Designa uma história contada sem autor e sem origem, história de deuses ou de coisas, que fornece a possibilidade de uma pessoa manter contato com o mundo invisível, necessariamente imaginado e relatado em quase todas as sociedades humanas; seu emissor é a sociedade e consequentemente as pessoas que a escutam e vão lhe atribuindo significados e uma origem sobrenatural. Existem hoje entre os pesquisadores quem estude a identidade dos conteúdos e das formas entre os mitos, os contos de fadas e os sonhos, que para estes nascem das mesmas fontes dinâmicas e compõe-se de representações dos sujeitos e de suas sociedades. O mito não tem finalidade explicativa, o seu objetivo é confirmar a fé em algo. Em função disto, o mito determina uma série de comportamentos e relações que levam à criação de práticas a cultos, pessoas ou situações denominadas de ritos, servindo estas práticas de reforço a determinadas estruturas ideológicas (como as religiões) que se vinculam aos mitos.
  • MODELO Representação idealizada da realidade para descrever, analisar ou compreender o comportamento de algum aspecto dela ou de sua totalidade.
  • MODIFIED AMERICAN PLAN É o quarto, café da manhã e/ou almoço ou jantar, diariamente. Também denominado meia pensão.
  • MONTANHA Grande elevação natural do terreno com altura superior a 300m, constituída por agrupamentos de morros com razoável extensão.
  • MONTANHISMO É o nome genérico das atividades praticadas em ambiente de montanha; pode incluir escaladas e/ou caminhadas (SÃO PAULO, s.d.).
  • MONTANHISMO Toda prática que possa ser desenvolvida numa montanha, incluindo espeleologia, caminhada, mountain-bike, vôo livre, parapente (paraglider), rappel, escalada, entre outros.
  • MONTE Grande elevação do terreno que surge de forma isolada na paisagem.
  • MONUMENTO CULTURAL Tem por objetivo de manejo proteger e preservar valores culturais e proporcionar oportunidades para uso educativo, recreativo e científico. A superfície dependerá da magnitude do sítio em questão.
  • MORDOMO É um funcionário designado para atender serviços em andares especiais, prestando serviços a hóspedes especiais. Ex.: desfazer a mala dos hóspedes, engraxar sapatos, arrumar guarda-roupas, etc.
  • MORRO Monte pouco elevado com altura aproximada de 100 a 200 m.
  • MOTEL Desenvolveu-se, principalmente nos Estados Unidos, no pós-guerra, com o crescimento das viagens de automóvel. Os primeiros eram pequenos negócios, com até 20 UH, com muito menos instalações do que um hotel e, geralmente, administradas por proprietários residentes e poucos funcionários pagos. Situados á beira das estradas, onde os preços eram bem mais reduzidos que os de centro de cidade, tinham, também, uma estrutura arquitetônica simples, mais horizontalizada. Seu principal diferencial é o oferecimento, além do leito, de estacionamento ao lado da UH, já que são meios de hospedagem especificamente localizados e planejados para fornecer acomodação conveniente para os que se deslocam em automóveis. A capacidade dos motéis é variada, podendo apresentar de 10 a 500 apartamentos. A arquitetura pode se constituir de chalés individuais, grupos de 10 a 20 unidades de habitação, prédios de dois ou mais andares, ou combinação entre bangalôs individuais e edifício principal de administração. Suas características principais são: fácil acesso e visibilidade da estrada, rapidez no atendimento, conforto, funcionalidade, diversão rápida, preços mais baixos do que os hotéis de mesma categoria, não obrigatoriedade de tomar refeições, ausência de contatos com a maioria dos funcionários (e, correspondentemente, nenhuma gorjeta).
  • MOTOR HOTEL É a propriedade que combinava as vantagens diversificadas de serviços de um hotel, com a conveniência do motel para o viajante de automóvel. A idéia nasceu durante uma viagem de Kemmons Wilson com sua família, em 1951, quando verificou que a maior parte dos motéis tinha um número escasso de apartamentos, pouco conforto, má cozinha e falta de ar condicionado. Fundou, então, posteriormente, seu primeiro motor hotel - o Holliday Inn -, com mais de 100 apartamentos, que veio revolucionar a indústria do alojamento. Wilson acreditava que a construção, aquisição de instalações e abastecimento poderiam beneficiar-se das vantagens operativas de uma cadeia centralizada, que poderia operar, a preços convenientes, uma série de serviços que hoje nos parecem naturais em hotéis de maior categoria (a Holiday é a primeira cadeia hoteleira, atualmente, em número de quartos - 328.679, em 1994, contando com 1.692 hotéis). Arquitetonicamente chegam a confundir-se com hotéis, são maiores do que os motéis, mais verticalizados (para fins estatísticos, nos Estados Unidos são classificados como motéis as propriedades até quarenta UHs e motor hotels os que possuem maior número de aposentos). Possuem em torno de 100 unidades e oferecem salas de refeição, coffee shops, cocktaillounges, salas de reuniões, para atender ao turista de negócios. Piscinas, para atender às famílias de viajantes, além de telefones, TVs a cores e VCRs grátis, na UH.
  • MOUNTAIN BIKING São atividades esportivas realizadas em trilhas e/ou estradas sem pavimentação, com bicicletas especiais para terrenos acidentados, sem sentido de competição (SÃO PAULO, s.d.).
  • MULTIDISCIPLINAR Relativo a várias disciplinas. Que necessita para seu estudo de várias disciplinas.

Ministério do Turismo
Esplanada dos Ministérios, Bloco "U" - 2º/3º andar - Brasília - DF - Brasil - 70065-900
Anexo ID - SCN Quadra 06, Bloco A, 12º andar - Brasília - DF - Brasil - 70716-900

Embratur
SCN Quadra 02 bloco G Ed. Embratur
Brasília - DF - Brasil - 70712-907